quinta-feira, 29 de julho de 2010

Inverno

"Fiquem sempre alegres no Senhor! Repito: fiquem alegres! Que a bondade de vocês seja notada por todos. O Senhor está próximo. Não se inquietem com nada. Apresentem a Deus todas as necessidades de vocês através da oração e da súplica,  em ação de graças. Então a paz de Deus, que ultrapassa toda compreensão, guardará em Jesus Cristo os corações e pensamentos de vocês.
Finalmente, irmãos, ocupem-se com tudo o que é verdadeiro, nobre, justo, puro, amável, honroso, virtuoso, ou que de algum modo mereça louvor. Pratiquem tudo o que vocês aprenderam e receberam como herança, o que ouviram e observaram em mim. Então o Deus da paz estará com vocês."

Carta de São Paulo aos Filipenses

terça-feira, 27 de julho de 2010

Inverno

Valentes mesmo só os caboclos do sertão
   A partir da década de 70 do século passado, começou-se a observar um crescimento da agressividade, gerando a violência escolar. O termo usado para este tipo de agressão é bullying, que veio do inglês e se espalhou pela mídia no mundo todo. Ele é um fenômeno preocupante para a sociedade em geral, e é tema de muita discussão em vários setores da mesma.
   No termo, bully quer dizer valentão. Vem disso o fato de crianças mais fortes e, na maioria dos casos, de famílias desestruturadas, agredirem física e psicologicamente outras mais fracas, passivas. Mas, ao contrário do que muitos pensam, o bullying não é simplesmente a prática de colocar apelidos pejorativos, e não acontece só nas escolas com alunos. Para o cientista norueguês Dan Owelus, ele se caracteriza como algo agressivo e negativo que é executado várias vezes e que estabelece uma relação de poder entre as partes. Portanto, isso pode acontecer em várias esferas da sociedade, inclusive dentro das escolas, não só com alunos, mas também com professores.
   Recentemente, foram divulgados casos de alunos que ofenderam professores através da internet. Alguns desses casos ocorreram em escolas privadas e a postura destas foi demitir os educadores, pois, obviamente, ficar do lado dos agressores quer dizer continuar lucrando. Por isso, situações como estas apenas atestam a ineficiência de muitas escolas em lidar com a questão, e a desestrutura familiar e psíquica de muitos jovens, que com tais atitudes comprometem a saúde psicológica de suas vítimas, sendo que algumas delas chegam até a cometer suicídio.
   Assim, a sociedade deve ter a percepção de que este é um problema sério e comum, não só nas escolas, mas em qualquer ambiente em que haja desigualdades sociais. Pois, o descaso com o desenvolvimento sócio-moral das crianças é uma questão que extrapola o ambiente escolar, está em todas as partes, e também se manifesta dentro dela. Tem-se, então, que encontrar meios de formar jovens centrados, que tratem os outros com respeito, sejam eles quem forem.


Larissa



segunda-feira, 26 de julho de 2010

Inverno

Sinta o sol no seu rosto, sinta a paz de ser perdoado, dê à vida ternura para recebê-la de volta. É a maior verdade deste mundo: a vida lhe dá o que você dá a ela. ;)

sábado, 24 de julho de 2010

Inverno

"-Is it a book?
Sorri da pergunta: tenho vivido uma parte da minha vida em meio a livros, conheço livros, lido com livros, sou capaz de distinguir um livro à primeira vista no meio de quaisquer outros objetos, sejam eles garrafas, tijolos ou cerejas maduras- sejam quais forem. Aquilo não era um livro, e mesmo supondo que houvesse livros encadernados em louça, aquilo não seria um deles: não parecia de modo algum um livro. Minha resposta demorou no máximo dois segundos:
- No, it's not!"

                              Rubem Braga

terça-feira, 20 de julho de 2010

Inverno

   Jovens. Como a juventude é traiçoeira. Tantos se torturam por pensar que é esta a melhor fase da vida. Que é quando se tem vigor, alegria e vontade sempre. Mas, ainda que esteja nesta fase, para mim quem pensa assim se engana;  parcialmente, eu sei.
   Jovens riem, curtem, exalam disposição. Mas muitos deles sofrem, se matam, são pressionados pela sociedade, pelos pais, para entrar no mercado de trabalho.
   São tantos sonhos! É certo que alguns não os têm, nem ligam para o que acontece com o resto do mundo, para eles só importa estarem bem. Mas,  muitos os têm, como eu. E se querem saber, o medo que eu tenho é esquecer meus ideais, minha repulsa por todas as injustiças do mundo. O receio que eu tenho é de que meus projetos se esvaiam com o tempo. Que este mundo me roube tudo. Eu já ouvi, sim, relatos de gente madura desacreditada, que diziam certa vez que eles tinham tantos ideais , mas que descobriram ao "crescer" que não podiam fazer nada por eles, que eles viraram apenas lembranças.
   E é assim! Acho que muitos de nós já sabem que não há muito o que se fazer. O que cresce conosco é uma certa desilusão, que não vai tirar nossa vontade de viver, mas que já nos mostra as dificuldades de viver um sonho, um projeto de vida.
   Quanto mais os anos passam, mais percebemos que nossos pais são falíveis, que não somos imortais, e o quanto os governos podem ser corruptos, a sociedade hipócrita e o mundo injusto.
   É triste, mas há ainda algo que ao menos a mim me conforta: se procurarmos bem, há muitos outros que querem lutar conosco, pessoas honestas e boas. E mais, fico cada dia mais feliz ao encontrar tantos jovens de fé, tantos amigos sinceros e tantos outros seres que me fazem acreditar na vida.






                                           Larissa ;)