quarta-feira, 23 de novembro de 2011

Primavera

Nos deram um mundo pronto, nos deram regras, morais, fórmulas pra matemática e pra felicidade, nos deram liberdade e a tiraram de nós ao mesmo tempo; abriram nossos olhos para o mundo, mas a muitas pessoas(a maioria delas!) as mentes não foram abertas, até porque mentes não são abertas por outros, e sim, por nós mesmos... Acredito na loucura(mais do que uma simples enfermidade), como sendo uma fuga dessa realidade; acredito que, cada vez mais, este mundo exige de seus habitantes uma força para aguentar todas as pressões, os desafios, as desventuras da vida... Mas eu acredito mais ainda numa saúde mental atribuída à fé, esta certeza de que um Deus está conosco e que, ao confiar cegamente nele, vivemos mais tranquilos, nos damos conta de que o desespero não é bom, nem adianta nada; aprendi que um coração com Deus é uma mente sem traumas, é uma mente que consegue se recuperar, que consegue prosseguir.

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Primavera-...


"Cuando yo era chico me encantaban los guisos de Tina, ella siempre los preparaba a la noche. Yo me ponía re contento porque sentía el olorcito. Pero cuando me sentaba a comer ella me servía otra cosa, y yo le decía “¿y el guiso?”, y ella me respondía “el momento correcto para comer el guiso es mañana”. Pero tenía razón, al día siguiente no sabes lo que era ese guiso, tremendo. 
Así aprendí que las cosas buenas hay que saber esperarlas. No hay nada de malo en que las cosas que uno desea lleguen más tarde de lo esperado. 
Cuando lo que querés tarda en llegar, el deseo crece, se fortalece. Y ahí tu corazón se prepara para recibir eso que tanto esperás. 
Si no estás listo para lo que deseas, es como comer una frutilla verde, es amarga, no la disfrutas. 
Hay cosas que llegan más tarde de lo esperado, y eso te da ansiedad, frustración, pero por algo es eso. Por algo hay cosas que se hacen esperar. 
Cuando menos las esperas, quizá cuando ya renunciaste a alcanzar ese deseo, es cuando la vida, el destino, lo que sea te sorprende. Y esas sorpresas son las que más se disfrutan, las que llegan cuando menos las esperas. 
Las cosas buenas llegan tarde, dan trabajo, esfuerzo, dedicación. Cuando uno sabe que lo que viene es bueno, la espera no es una agonía, es una fiesta. 
Saber esperar es saber desear. Queremos todo ya, la comida ya, los resultados ya, levantar el tubo del teléfono y que venga un delivery y te traiga la felicidad, ahora. 
El deseo se vuelve más fuerte cuando uno se toma el tiempo de desear. Si entre el deseo y la realización no hay tiempo, el deseo se vuelve débil, descartable. 
Asique será hoy, mañana, en un tiempo, en el momento exacto, más tarde de lo esperado, pero eso es muy bueno."
Thiago- Casi angeles

...

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Primavera-Sobre a guerra

"Como começa uma guerra? Tudo começa com uma diferença de critérios, uns pensam uma coisa, outros pensam outra; mas depois, alguns querem impor seus critérios e começam as discussões. E em um momento se deixa de raciocinar, e começam os enfrentamentos. É só ter algo que imponha um critério à força e está feito, já começou a guerra. Em uma guerra só se pode desejar algo de paz.
 Nada transmite mais paz do que voltar à casa. Voltar ao seu lugar, aos seus cheiros, voltar aos que você ama e aos que te amam, isso traz muita paz.
(...) Voltar à casa tem uma mescla de melancolia e felicidade; melancolia por todo o novo que deixamos pra trás, e felicidade por voltar à casa, porque em casa sempre há algo de paz. "

*Com todos os conflitos rondando o mundo e trazendo mais uma primavera, penso se o nascimento que essa primavera representaria será, de fato, um nascer para esses povos. Não sei se a essas revoltas podemos chamar de guerra, mas a guerra me veio à mente agora e remonta a um livro que li há pouco. Em "O menino do dedo verde", Maurice Druon cita a guerra: "Como só se falava em voz baixa, Tistu entendeu que a guerra devia ser uma coisa feia, uma doença de gente grande, pior que a embriaguez, mais cruel que a miséria, mais perigosa que o crime."
Creio que a libertação de uma ditadura seja uma única razão para comemorarmos o fim de conflitos violentos, que deixaram tantas marcas numa população já marcada pela opressão e pelas péssimas condições de vida.
Os traumas de meses de uma guerra civil ficarão nas mentes daquelas crianças. Que elas possam voltar às suas casas e encontrar algo de paz...
Bom mesmo seria se a liberdade e a dignidade de todos os cidadãos ao redor do mundo fossem conseguidas sem pegar em armas...sonhos de uma vida!

Larissa T.

terça-feira, 4 de outubro de 2011

Primavera-Sobre a fé

Ah, a primavera...


" A falta de fé é falta de luz, porque a fé é acreditar em algo, ainda que não possamos ver.
Perder a fé é acreditar que o que não aconteceu não acontecerá nunca.
A fé é uma conquista que se põe à prova todos os dias. Aquele que a perde pode perder um jogo ainda que esteja ganhando.
Se alguém perde a fé, se entrega à morte.
Dizem que a fé move montanhas, mas uma montanha de fé move muito mais. Se você acredita em algo, por mais que te digam que estás louco, não duvides, tenhas fé. Não há nada pior que se dar por vencido, quando se vê tudo negro, quando não se pode ver a saída, quando se acredita que não vale a pena seguir acreditando...
Feche os olhos bem forte, siga e tenha fé. O segredo de tudo é a fé. A fé em que sua sorte pode mudar.
A vida colocará tua fé à prova uma e mil vezes, só depende de quanta fé tenhas no que queres, de quanta fé tenhas em vós, de quanta fé tenhas na vida.
Murphy diz que os acontecimentos casuais costumam acontecer todos juntos. Eu prefiro acreditar que é uma questão de fé."


Aprendi com essas duas últimas primaveras que a fé podia me fazer melhor. Ela pôde me aperfeiçoar, me fez acreditar mais, esperar mais, confiar (muito)mais...
Eu sempre soube que isso de ter fé era algo magnífico, incrível. É grandioso pensar que essa crença em um Deus tão maravilhoso e em seu amor  imenso acontece com milhares em todo o mundo.
A fé, eu sei, é fantástica quando nos damos conta de que estamos ligados intimamente com um Deus que nunca vimos, nem tocamos, mas que temos a certeza plena de existir, que sentimos e sabemos estar conosco, nos amando e protegendo. E, principalmente, a fé é ímpar quando mobiliza pessoas, grupos, com objetivos comuns como a evangelização, a doação de si aos outros, a mobilização diante da pobreza ou do abandono. A fé se mostra singular, quando nos faz sonhar, quando nos impulsiona a realizar grandes projetos, quando nos encoraja a seguir caminhos tortuosos em busca do bem. Ela é sublime, enfim, quando transforma os corações amargurados, as mentes cheias das maldades e das baixezas do mundo, quando liberta almas destruídas pelo ódio e pelo ressentimento.
É, a fé move não só as montanhas, mas o mundo inteiro. Essa fé em um Deus que é só amor ...

Larissa T.

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Inverno- Sobre a felicidade

Estou adorando este rasgo de felicidade que nasce com a aproximação da primavera. Estou obsessiva da primavera, mas não sei qual o significado disso, afinal, estações do ano não fazem parte desse pequeno espaço da biosfera em que vivo... Creio que estou me aproximando de uma parte da vida que me faz viver metáforas, e não sei se isso seria bom ou ruim. Por enquanto, é o que me apraz.
A verdade é que quando 'descobri' o sentido das estações, como sendo ciclos nos quais se passa sem saber o porquê, decidi procurar entendê-las...E a primavera, senhores, é o nascimento.
Para se chegar à primavera, primeiro se tem que passar pelo inverno; para renascer, primeiro se tem que morrer.
O rasgo de felicidade que mencionei, faz parte dos pequenos momentos felizes que acompanham minha vida. Pois, o problema está na obsessão que todos têm pela felicidade. Estão sempre buscando algo que pensam ser o melhor, e, assim, algo sempre os falta. E sabe o que encontram nessa busca? Amargura. Vivem amargurados por não conseguirem sempre essa felicidade desejada, por nunca bastar o que se tem, por não entenderem que   o paraíso e a felicidade plena só acontecerão quando cruzarem as portas do céu. Mas, ao chegar do outro lado, acreditem, tudo se acaba. Porque essa felicidade suposta, esse céu, esse paraíso, é que nada os falte; mas sempre falta algo, e ainda bem que é assim, porque isso que nos falta é o que nos mantêm vivos.
Espero a primavera, senhores, como quem espera respostas e mais rasgos de felicidade. Não sei se aprendi a me contentar com esses breves momentos, mas sei que a amargura dessa busca constante é o que me faz perder a festa de estar viva. Assim, o melhor é deixar de pensar tanto nesse paraíso, melhor mesmo é juntar-me a essa festa, que está boa. Juntem-se.

Larissa T.


quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Inverno

"Quando você não sabe aonde ir, qualquer caminho pode servir. Dão medo as cruzes no caminho. Dá medo partir. Dá medo voltar. As perguntas e as respostas dão medo. Se você não sabe aonde vai, o melhor é se deixar levar, como se estivesse flutuando no vento.
Às vezes temos que nos desprender das bagagens, e como uma pluma, se deixar levar pelo vento.
O vento leva e, ao mesmo tempo, traz. O vento pode nos levar a lugares seguros.
Flutuando no ar estão todas as perguntas e todas as respostas. E flutuando no vento iremos aonde devemos ir."


Flutuar. Será que é isso mesmo? Será que o vento pode nos levar a lugares seguros? Será que devemos nos deixar levar? Será que iremos aonde devemos ir? 
Onde devemos ir. Isso se chama destino. Não há o que fazer quando a força maior te leva aonde você deve ir... Por quaisquer caminhos, creio eu, chegaremos sempre ao mesmo fim. 
Para chegar onde devemos ir, temos que passar por coisas que muitas vezes nos mostram que erros são para serem usados para o aprendizado e não para serem repetidos, que bater na mesma tecla na esperança de tudo mudar nem sempre é a melhor solução. A verdadeira chave para isso tudo é conseguir enxergar quando é preciso parar, conseguir ao menos criar todas as possibilidades na mente antes de entrar de cabeça em algo, porque prever o que acontecerá é impossível, ninguém pode saber o que dará certo ou não, a única coisa que podemos fazer é estarmos atentos a tudo.
Hoje eu ouvi algo sábio de uma pessoa que nunca pensei ouvir... Ela, mesmo sem saber, me disse que nós devemos sempre buscar coisas melhores, coisas novas, e isso coube exatamente no que me passa agora, devemos abrir nossos olhos para o novo, porque quando temos a coragem de deixar para trás um projeto, um desejo, o qual nos deixa atados a algo que não vale a pena, nós caminhamos rumo ao nosso destino, nós descobrimos onde devemos ir.
Lari T.

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Inverno

Se o inverno é mesmo a morte, espero ansiosamente pela primavera(o nascimento).

"Nossa viagem começou como um círculo. Um círculo é algo que não tem princípio nem fim, um círculo é, ao mesmo tempo, final e começo. Um círculo pode te fechar, isolar, asfixiar. Um círculo também pode te proteger. Estando você dentro ou fora do círculo. Um círculo de proteção podem ser as mãos que te agarram e te têm atado à vida. Pode ser um sorriso que te contagia o riso, que te faz rir uma e outra vez, num círculo virtuoso.
Um círculo também pode ser vicioso, se repete uma e outra vez, matando-te pouco a pouco. Nós começamos essa viagem abraçados, formando um círculo, e chegaremos ao final se, e somente se, nos mantivermos abraçados.
Porque um abraço é afirmar que entre nós não há princípio nem fim, é jurar que vamos nos proteger, é saber que se nos mantivermos unidos, manteremos nosso círculo de proteção."


domingo, 11 de setembro de 2011

Inverno(já com cara de verão)

Estava tentando entender o porquê de algumas coisas terem passado... Às vezes me sinto mais dona dessas respostas do que realmente sou. Todas as vezes que algo se foi, deixou de existir ou, simplesmente, parou por um tempo, causou tristeza, frustração... Mas o tempo mostrou, em todas as vezes, o significado de tudo, e esse significado só veio depois de coisas passadas, de tempos vividos. Portanto, me conhecendo como conheço e me descobrindo como boa perceptiva que sou, vejo o que precisa ser mudado em mim e acho que mudanças são necessárias para melhorar minha essência. Faz um ano que muito se transforma em mim, mas ainda muito precisa ser mudado, e muito que eu ainda não consegui mudar precisa ser persistido. Admito que as muitas pessoas que conheci nesse espaço de tempo me fizeram enxergar muitas coisas, às vezes bobas, que eu não entendia...A verdade é que quando recordo tudo isso, vejo o quanto a vida me dá oportunidades, e que cada vez mais entendo esse mistério que me cerca, pois muitas coisas vieram, sim, para eu compreender tudo. Não sei se o que me veio, em todos os sentidos, veio por um canal imaginado e para muitos desconhecido, mas entendo que o desenrolar da vida é isto.

quarta-feira, 7 de setembro de 2011

Inverno de saudades

Queria poder sentir saudades. Queria estar lá por direito, acompanhar, participar, me envolver...
Se o inverno é a morte, prefiro imaginar que o que morreu foi isto que passou, os momentos negros deste outono-inverno, os quais antecederam tão dolorosas conclusões acerca desse meu destino. Prefiro acreditar que aquilo foi só um erro de percurso, que os momentos verdadeiros chegarão, aqueles certos que somente Deus sabe quando nos enviar... Não sei se o novo percurso estará guiando um novo ciclo, que é tão esperado, e se o tempo que chegará será esse que está por vir. Teimo em enxergar o futuro, mas o mesmo usa máscaras e ri da minha inocência. Se o tempo me absorve e me prega peças, que saberei eu sobre futuros passados, aqueles que nos remontam à mente para nos dar as rédeas do que virá? Eu não saberei. Ninguém saberá.
A verdade é que quando acontecer, voltarei às minhas lembranças e compreenderei tudo isso que passou. Estou serena agora, a serenidade me envolveu quando descobri que esse sentimento me fez mais humana, e não importa o que aconteça com ele, valeu a pena!

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

Inverno

E um dia, lá na frente,
 contigo ou sem ti,
 vou lembrar,
 perfeitamente,
 que nunca te esqueci...(*)

L.T


domingo, 21 de agosto de 2011

Inverno

                                 DAS UTOPIAS

   Se as coisas são inatingíveis...ora!
   Não é motivo para não querê-las...
   Que tristes os caminhos, se não fora
   A mágica presença das estrelas!

                                            Mario Quintana




* E o que é impossível para Deus? Fazemos tanto caso de coisas pequenas que nos esquecemos de nossos sonhos de verdade... É tão difícil assim concretizá-los, vivê-los? Não importa quanto tempo passe, quantos caminhos se percorra, eles serão muito mais especiais se forem seguidos pelo desejo mais profundo de uma alma sonhadora! Não há melhor forma de se viver do que buscando um sonho, daqueles que fazem o coração arder de vontade de realizá-los... não há melhor maneira de burlar a feiúra deste mundo. Se nos preocupamos com nossos sonhos, devemos também buscar a generosidade de ajudar os outros a conquistar os seus próprios anseios. Para sermos felizes devemos buscar sempre fazer os outros felizes, mesmo que o mundo te coloque obstáculos para isso... Enquanto caminham lado a lado, sonho e fé, nada mais importa.  L.T

   

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

Inverno

Faz tempo que o tempo me engana com coisas tolas, palavras tolas, desculpas armadas... Faz tempo que o tempo me presenteia com consolos e me anima em uns momentos de luz. Mas eu preciso desse tempo para compreender os mistérios deste destino, que não me dá tempo, que me diz que o mesmo não existe. Já disse e repito: Não há tempo. Ou há, e isso realmente só está passando AGORA... A cada dia eu chego mais perto de quebrar o misticismo substituível, estou conseguindo decifrar; mas sei, também, que isso deve ser guardado comigo. Raros são os que compreendem o tempo e seus trejeitos, estamos atentos e ficaremos assim, amigos*!

domingo, 14 de agosto de 2011

Inverno

                               DOS NOSSOS MALES

   A nós nos bastem nossos próprios ais.
   Que a ninguém sua cruz é pequenina.
   Por pior que seja a situação da China,
   Os nossos calos doem muito mais...

                                     Mario Quintana



* O mistério que nos cerca é o da própria vida. Estando aqui neste momento, esperando o caminhar do meu futuro, faço minhas as palavras de Quintana, mas digo a todos de uma forma que talvez seja espantosa... Na verdade, nossos pequenos problemas sempre parecem maiores que os dos outros, damos a eles dimensões grandiosas, enquanto esquecemos que há outros tantos com necessidades primárias no mundo. Neste dia dos pais, peço a Deus que conforte e acolha todos os pais e filhos que passam por dificuldades diversas, que os nossos pequenos problemas nos deem ânimo para fazer o melhor para os outros e para nós mesmos, porque o Pai de todos nós está nos guardando, Ele nos faz mais fortes, mais generosos e humanos. Que Deus cubra de bênçãos as nossas vidas, Amém.

sexta-feira, 5 de agosto de 2011

Inverno

   Pensar levou o homem a deixar de lado o seu primitivismo e entender que quanto mais a população aumentava, mais se precisava de um modo justo de tornar a sociedade formada, muitos anos antes, mais igualitária.
   Alguns pensadores dedicaram algo de sua filosofia para a política e com ela abriram o pensar filosófico para a questão da melhor forma de governo; a interação da política com a filosofia na Grécia Antiga guiou os rumos da democracia ateniense.
   Apesar de ser aceita como a melhor forma de governo do nosso tempo, a democracia não foi o ideal na concepção de Aristóteles. Para o filósofo grego, do qual veio a obra "Política", o ideal de governo seria a Politheia(governo de todos para todos), pois na democracia uns poucos oprimem outros.
   O certo é que a filosofia foi crucial para os debates acerca dessa forma de organizar o Estado e também para o seu funcionamento em Atenas. Hoje, ela não usa mais o recurso do pensar e está longe da igualdade entre as classes. O processo democrático expressa exatamente as falhas que Aristóteles citou, com o agravante de que na nossa democracia os que têm o poder estão longe do ideal grego.

Larissa T.

sexta-feira, 22 de julho de 2011

Inverno

"Aconteceu sem mesmo esperar, Ele apareceu em meio aos discípulos a caminhar. Falava de amor e o som de sua voz abrasava os seus corações, e diziam: 'Senhor, fica conosco! É tarde e o dia declina, quase sem esperança partimos sem direção. Mas ao redor da mesa se abriram os nossos olhos, Te reconhecemos ao partir do pão.'"

Que tudo o que aprendi seja hoje posto em suas mãos, Senhor, como instrumento de evangelização. Que minhas ações emanem todo o amor, a fé e a entrega que tenho em mim. Amém.

Larissa T.

sábado, 16 de julho de 2011

Inverno(de verdade)

Meus pensamentos congelam neste frio!

   Passar por essa vida sem ter desenganos, nos priva de tomar decisões precisas e de aproveitar o futuro, buscar as conquistas. Os que têm tudo muito fácil não sabem o que é lutar por algo, e por mais que muitos digam que dariam tudo para ser assim, saborear uma vitória tão almejada, tão trabalhada, não paga qualquer facilidade na vida. Essa busca é o que toma nossas vidas até seus últimos dias, vivemos sempre buscando nossas vitórias, e isso é muito válido! Bom na vida é te orgulho de si e do que faz, ter certeza do que quer e encontrar, assim  faz quem não tem medo de viver...

segunda-feira, 11 de julho de 2011

Inverno

  E eu pensei que isso tinha passado...entra mais uma vez em meu quarto e invade meu sono. Como posso esquecer se me é tão perfeito? Se casa tão bem com minha personalidade? Ainda bem que se vai, talvez seja isso mais uma ação divina para poupar-me de um futuro triste. Assim, isso é o melhor que poderia acontecer. Talvez depois se cumpra o destino, se nele estiver... Que o sol nos traga força, que a lua encha nossos corações de bondade e esperança. Os veremos sob o mesmo céu, nessa fase e para sempre.

L.T

quarta-feira, 6 de julho de 2011

Inverno

Quando o recado chegou, estava eu a esperar, mas esperando não estava, tão logo surpresa eu ficava... :)


Lua que ilumina
Muda a minha sina
Eu não quero mais sofrer
Manda um recado só prá ela
Correr prá janela e aparecer
Diz também que eu preciso
Daquele sorriso
E teus olhos de paixão
Estou apaixonado eu sei
E esse é meu recado

L.T =)

sábado, 2 de julho de 2011

Inverno

  Quando outro "João" aparecer, não sei como estarão as estações da minha mente sem sentido. Eu, realmente, não acordei de um sonho, estive a ponto de esquecê-lo, mas é incrível como ele se volta mais bonito e maravilhoso, só para me fazer acreditar mais uma vez.
  Enquanto caminham, lado a lado, meus passado, presente e futuro se entrelaçam naquela linha temporal que teima em desalinhar. Quando descobri que não havia tempo, decidi encontrar no tempo as respostas de que precisava. E é surpreendente como as coisas acontecem e me chegam para objetivos maiores. Porque mesmo com os tropeços, optar pela vida e pelo melhor sentido da mesma é o que move um coração desencantado.
  Assim pensando em tudo o que virá, o que passou, o que passa, vejo que encantador mesmo é esperar, é essa esperança que move a todos por um futuro brilhante, bonito, melhor. O encantamento se dá pela beleza de uma espera, pelo trabalho que se faz esperando, esperando os acontecimentos dessa vida que teima em nos fazer surpresas, em nos mostrar um céu azul, azul até demais, nas canções tão incríveis, na literatura tão bela, na fé tão intensa e duradoura. Eu estou, sim, em busca daquele futuro, e eu o encontro a cada passo que consigo dar.

Larissa T.

sábado, 4 de junho de 2011

Outono

A Balada da Contramão(A banda mais bonita da cidade)

Canção é por você que já cansou de acreditar
Esteve vivo sem viver, mas não deixou de escutar
E que assim como eu esperou, mas correu pro dia em que alguém ousasse entrar
Fosse na contramão, na sua estrada sem chão
Descansasse a vista pra então habitar
Habitar, habitar
Eu vou tentar mais uma vez
Por quem não pode mais tentar
Sair à noite por aí com pouca história pra contar
Pra quem assim como eu esperou, mas correu pro dia em que alguém ousasse entrar
Fosse na contramão, sua estrada sem chão
Descansasse a vista pra então habitar
Pois assim como eu esperou, mas correu pro dia em que alguém ousasse entrar
Fosse na contramão, sua estrada sem chão
Descansasse a vista pra então habitar, habitar.


L.T, o céu me mandou esperar...

sábado, 28 de maio de 2011

Outono

 Hoje eu não precisei ver o sol, nem o mar. Hoje, eu preciso ver Deus, preciso que ele me ampare, me sustente, que encha de paz o meu coração. Hoje eu preciso pensar no melhor, não no pior que pode acontecer, pensar que Ele está aqui e não deixaria a minha vida vida tomar rumos tão mais dolorosos. Hoje, o que eu preciso fazer é começar definitivamente a confiar em Deus, confiar que isso que eu tenho tanto medo de acontecer não acontecerá porque Ele não deixará. Eu creio que isso é a chave que falta na minha fé: a confiança. Mesmo que tudo pareça errado, mesmo que eu pense no pior, tenho que acreditar sem reservas no amor de Deus e na sua bondade. Eu aprendi muito na convivência que tenho tido com Ele, e agora estou aprendendo a confiar, trabalhar na vida tendo certeza de que terei frutos, acreditar que tudo vai ser melhor porque Ele sabe a hora e o lugar, porque só Ele sabe das minhas necessidades... Eu sei que tudo estará bem, eu sei que Deus me guiará, mesmo com as tribulações, eu tenho que CONFIAR!

sexta-feira, 13 de maio de 2011

Outono

Eu estive a alguns caracteres de ser feliz em um âmbito diverso da minha vida! É incrível como as palavras podem tudo, mudam tudo, se por algum instante se é feliz, basta uma palavra e te tornas triste. Se achas que tudo está perdido, basta uma palavra e tu encontras tudo! Creio que desencontrei tudo, sim, com simples palavras, um sentimento decidiu seu rumo, ele tem que ir... E vai, vai porque ele deve dar lugar a outro, menos intenso, mais fraternal, com toques de saudade. Ele vai porque talvez não seja sua hora, ou porque ele nunca terá hora, de certo só quem sabe seu destino é o próprio destino, que se encaminhará do que deve acontecer.


*"Que ventos o trazem?" , pergunta típica de narrativas, a qual me encanta pelo fato de ser elaborada com o entuito de saber de que direção se vem, será que eu venho do oeste, que os ventos do oeste me trazem?
Não sei, a verdade é que eu quero mesmo saber em que direção eu vou! Aquele sentimento tomou seu rumo e quer me levar consigo, algo de meu decidiu-se por causa dele, e se eu irei a leste ou a norte quero levá-lo, mesmo que inteiro em sua mudança, quem sabe ele não adormece  e outro como ele desperta dessa vez para sempre...
Hoje eu precisei ver o sol.

Larissa T.

terça-feira, 15 de março de 2011

Fins de Verão

É, realmente, não há tempo! Se houvesse, porque estaria eu nesse tempo, nesse século, se na verdade me sinto totalmente fora dessa época... Eu não sei se sou do passado ou do futuro, mas como não conheço o futuro, o passado me convida. Talvez eu fosse do tempo das ideologias escancaradas, das lutas por ideais, daquela era em que eu teria com quem compartilhar esses devaneios da consciência... Talvez, hoje, eu estivesse sendo lembrada ou estudada... Olho para trás e vejo como seria estar no tempo em que loucos viviam pouco, mas intensamente, e viviam! Como seria, eu, lutando pela liberdade no Brasil de 70 ou me aliando àqueles comunistas de 30? Nunca vou saber como seria; afinal, eu estou aqui imaginando aquela vida que  teria.
Mesmo com tudo isso, me recordo agora de ter ouvido que nunca devemos vangloriar o passado, por nada de melhor que ele tenha. Na verdade, isso foi mais uma técnica para escrever com coerência... Mas não escrevo porque alguém quer ou como querem, escrever pra mim é isso: é o que eu quero, o que me vem à mente no momento. E não me importo com as cacofonias, os pleonasmos, os ecos, eu estou bem assim. Quero escrever para mim, para o bem, para falar com o coração, pouco importa o que uma suposta pessoa(que acho eu é imaginária!) vai pensar sobre o que escrevo, que 'nota' dará ao meu texto, mesmo que isso valha o meu futuro. E, voltando ao passado, acho que eu seria muito útil e, talvez, admirada pelas minhas características: como escrevo, o que penso , como falo... Sinto que estaria mais à vontade, mas eu estou aqui, escrevendo sobre o passado e sobre como eu QUERO escrever, estou aqui para provar que não há tempo, que os tempos se entrelaçam, que eu os entrelacei.

quinta-feira, 10 de março de 2011

Verão

Sinto saudade daquele verão que não foi perdido, da tarde que ficou no sonho, das nuvens se mexendo num céu que nunca existiu...
Sinto saudade de um certo namorado que dizia eu, estava a caminho, e de uma mariposa colorida que vi nos delírios febris...
Sinto saudade do tempo que perdi procurando um sonho que não encontrei, das horas que passei lamuriando a vida que não aflorava, dos castelos de areia sempre projetados...
Sinto saudade daquela atriz que cantava, da artista que brilhava, da estrela que crescia, daquela escritora que viria...
Mas do que eu sinto saudade mesmo, é de um certo serrão, e de como aquilo era imenso para uma pequenina sonhadora, de um certo alguém que se foi, de uma certa turma de animadas viagens diárias, dos natais mágicos, das tão esperadas páscoas, das quadrilhas, de todas as lembranças... de tudo isso, a saudade maior é da vida, da minha vida!

domingo, 27 de fevereiro de 2011

Verão

   Eu fui buscar espaço onde não tinha, busquei respostas onde nem havia questionamentos, enquanto o verão passa, eu só tento estar bem para o outono, minha estação preferida, ao menos em tese. Todo novo ciclo das estações estou eu a falar desse outono modificador, aquele que renova as folhas das árvores e da minha vida. O que eu mais busco, hoje, é o entendimento de todas as situações que acontecem, do que significam tais apontamentos... Se o sol finge que se vai no próximo inverno, eu finjo que irei neste outono, leve e delicada como a folha que cai. Estarei buscando os épicos da minha vida, mas não porei a culpa no meu 'eu lírico', ele não merece. Assim, os detalhes que realmente importam estão gritando para eu percebê-los, querem a todo custo chamar minha atenção, e tenho que dizer, eles estão conseguindo, graças a Deus eles estão...

domingo, 20 de fevereiro de 2011

Verão

De Mario Quintana, O milagre :

  Dias maravilhosos em que os jornais vêm cheios de poesia... e do lábio do amigo brotam palavras e eterno encanto... Dias mágicos... em que os burgueses espiam, através das vidraças dos escritórios, a graça gratuita das nuvens...

Verão

Como é que pode?




  É, parece que as coisas por mais estranhas que sejam, vêm a mim de toda forma, para eu não cair. O outono está pra chegar e o sol do verão me deixa na mão... Como é que pode eu ter tanta esperança assim, como eu acredito tanto em coisas lindas que virão, se eu não sei nada sobre o futuro? Ninguém pode me responder. A única coisa de que tenho certeza é que as coisas caminham em seu rumo certo, se eu vou saber esperar ou lidar com isso é problema meu, mas o destino está lá. Porque eu teria que passar por essas coisas ou conhecer essas pessoas, porque não outras? Por que não outra cidade, outro país, outra realidade? A verdade é que se estou aqui é porque aqui devo estar! Esperando, aprendendo, confiando... Eu estou aqui porque é aqui que eu busco a vida, é onde estão essas pessoas que por algum motivo tiveram que vir  a mim, que são minhas, que têm que ser. A próxima lua vem aí, ela sabe o que fazer por mim...

quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

Verão

 "O segredo do Vitório"

  Esse é um bom título para um livro, mas ainda não é sobre isso que eu quero falar...


 Enquanto eu recordava os anos a fio que se passaram desde o início de um sonho, vesti preto e saí num luto meio lírico do tipo "meu sonho morreu". Mas o que me encanta mesmo são os épicos. E morrer na mitologia não é algo findo, hoje eu ouvi que eu sou uma fênix, ressurgindo das cinzas... A verdade é que a fênix é o tal sonho que eu pensava ter morrido. 'Para as rosas, escreveu alguém, o jardineiro é eterno.' Sim. É eterno. Mesmo que eu seja covarde, isso é eterno. E, talvez, valha muito a pena! Deve valer, tem que valer.
E só. O Vitório, que não é o de Mimi, fica pra depois. ;)